Geral

Nos Trilhos da Vida - NO TEMPO DA MARIA FUMAÇA

Fonte: Dílson Fonseca em 12 de Outubro de 2017

Dílson Fonseca

Homenagem ao ex-ferroviário Natanael Matos da Silva “Branca de Neve” falecido hoje aos 89 anos.

Conversamos nessa semana com o ferroviário de 86 anos de idade que viveu momentos antagônicos na ferrovia, entre a NOB e RFFSA, Maria Fumaça e Máquina elétrica. Ser Policial ou Ser Ferroviário, Ser comissário de menor ou ser musico. Enfim vamos conversar com senhor Natanael Matos da Silva, que ficou na ferrovia por mais de 30 anos. Onde quando tudo começou, não tinha onde dormir, onde comer, ficavam nas estações e pernoitavam por lá mesmo, pois sempre tinham que atender o socorro que era o apoio para os trens quando acontecia algum tempo de acidente na linha ou nos vagões. Para ele a NOB só endireitou na época dos generais. Pois eles fizeram hospitais, pernoite, onde tudo era bem melhor do que na atualidade.

Pois quando ele entrou na ferrovia tinha folga, trabalhava muito mais tinha uma boa folga e tinha mais liberdade pra escolher e que setor trabalhar. Senhor Natanael entrou na Noroeste como auxiliar de mecânico, depois passou para reportagem, depois fui chefe de limpeza e até chegar a fiscal de máquinas. Tudo isso no tempo da Maria Fumaça. Mas como o mesmo gostava de trabalhar ficava o dia todo na ferrovia e a noite era comissário de menor, mas segundo ele jamais deu prejuízo a Noroeste desempenhando essas funções ao contrário segundo ele deram prejuízos a ele, principalmente um encarregado de nome Ovídio que me deu um tempo totalmente errado, com muitas faltas. Como ele mesmo diz que faltava mas não era tanto assim, até porque ele mesmo disse: "(...)quando eu entrei na estrada eu era como um boi bravo não nego e nunca ia ao médico, tive problemas de saúde e não tratei". Antes de continuarmos é preciso explicar que o termo estrada era usado para simplificar o termo estrada de ferro e todos os verdadeiros ferroviários falam assim.

Segundo ele não gostava de ir ao médico pois se ficasse muito tempo parado não recebia, e se fosse um mal funcionário não empregava e só ficava se fosse um bom funcionário. Mas teve um dia que ele precisou ir então ao médico que disse você vai ter que tirar licença, disse o chefe dos médicos. Como senhor Natanael ainda estava na fase de treinamento e na podia tirar licença senão seria demitido. O médico então passou para ele a função leve, ou seja, ficou fazendo faxina no pátio da Noroeste até se recuperar totalmente. Naquele tempo existia dois tipos de funcionários, os diaristas e os mensalistas eu naquele tempo era diarista e quando vinha o trem pagador primeiro recebia os mensalistas e só depois os diaristas. Ficou nessa rotina por 5 ou 6 anos.

Depois ele passou a ser mensalista e veio para trabalhar no pátio de Corumbá, mas segundo ele veio enganado pois achou que vinha para trabalhar como reportagem da Maria Fumaça e quando chegou na cidade foi destacado para trabalhar com veículos ao lado dos foguistas da Maria Fumaça. O encarregado da época senhor Ovídio disse que eu deveria ficar nessa função e eu aceitei, mas o Senhor Débio que era muito amigo dele o colocou como auxiliar de mecânico. E assim começou a trabalhar com a Maria Fumaça e depois veio a RFFSA com as suas máquinas elétricas.

FUI AO SOCORRO, MAS EU PRECISEI SER SOCORRIDO
Certa fez ele chegou a desmaiar, pois a comida era fraca, sempre tinha farofa, arroz e chá e quando dava vontade comia no caminho ou somente tomava o chá. Numa dessas idas e vindas ele desmaiou, pois quase sempre eles chegavam e logo já tinham que voltar. Segundo ele teve um socorro no trecho 29, o trem do socorro tombou e ele desmaiou, quando acordou já estava no pernoite, ai acordei e disse: "(...) uai não fui ao socorro no 29 me disseram você desmaiou e precisou tirar um repouso". Ai só depois soube que o trem havia tombado.

O FERROVIÁRIO E O MÉDICO
Foram 30 anos 6 meses e 2 dias como ferroviário. Uma certa vez senhor Natanael precisou tomar injeção no Posto de Saúde, com Dr Yevada e dr Brenno. Dr Brenno disse que ele havia "caído na vala", pois deveria tomar muito remédio e com certeza isso no futuro iria prejudicar os seus rins. E com certeza deveria mais cedo ou mais tarde passar por uma cirurgia, senão o mesmo poderia morrer.

Depois disso em 1983 o mesmo se aposentou e então veio o problema nos rins que la atrás haviam dito a ele que ele teria, mas mesmo assim ele ainda não operou. Senhor Natanael na sua simplicidade disse que por causa de 20 cruzeiros ele não pode ter o passe livre de ônibus e paga meia e hoje ele paga 40 cruzeiros. Na verdade o que ele nos passou é que o salário dele ultrapassa em R$ 20,00 o limite para se ter passe livre e com isso ele paga a metade da passagem.

PEDRO PEDROSSIAN "O PAI DOS FERROVIÁRIOS"
Para o senhor Natanael Matos da Silva o engenheiro Pedro Pedrossian foi um grande diretor e esse diz: "esse homem foi o pai dos ferroviários e ele fez o que pode, foi um grande homem pro povo, ele teve vários problemas mas ajudava o povo."

O POLICIAL
Aos 13 anos de idade o senhor Natanael fugiu para o Ceará e depois para o Amazonas, falou para mãe dele que ia bem ai e voltava e nunca mais voltou, fugiu naquele tempo de guerra, serviu o exército e teve boa conduta, mas perdeu os documentos e hoje em dia ele não recebe nada por isso. Pois perdeu os documentos quando deixou pendurado na casa da sua comadre os documentos e foi tocar bateria, quando voltou seus documentos viraram um verdadeiro mingau.

Já na Policia em Cuiabá com 16 anos entrou na banda de musica. Em 1947 foi para Campo Grande para formar uma banda, mas por ser estourado não ficou muito tempo na policia. Pois ele saia as 17 horas e chegava as 5 horas da manhã, pois ficava tocando que segundo ele tocar naquela época deverá.

Senhor Natanael mesmo conta: "(...) um dia quando cheguei de manhã no quartel e fui me deitar, ai o sargento me disse você vai ficar de plantão, pois o pessoal plantonista saiu em missão. Como fui obrigado a tirar serviço Dori na porta do quartel. Depois passou o oficial me acordou e perguntou o motivo de eu não ter dado continência para ele e aquilo me indignou pois eu estava dormindo e ele me acordou para dizer isso. Disse para ele que não dei continência porque estava trespassado, pois sai as 6 da tarde e voltei 6 da manhã eu estava praticando o deverá com o checheu. No outro da pedi minha baixa, não queriam dar por eu ser um bom soldado, mas eu quis mesmo era sair dali. Falei direto com o coronel Correa que aceitou o meu pedido."

CURIOSIDADES DA FERROVIA
Senhor Natanael uma certa vez quase entra em uma furada, nunca quis saber de ter advogado pra nada, pois para ele o advogado é Deus. Certa vez fui ele foi chamado pelo advogado Castelo Branco que queria saber sobre um acidente que ocorreu no trecho. E começou a questioná-lo e já afirmou que o mesmo estava mentindo sobre o episódio. Mas então ele disse:" (...) não doutro eu não estou mentindo, pois eu não ia viajar no dia 02 de novembro, pois queria ir ao cemitério acender velas, que era meu costume ai pedi para meu colega fazer essa viagem. O finado Minoca disse ao encarregado que ele tinha que estar em Aquidauana por causa da família dele, pois tinha gente dele enterrado no cemitério de Aquidauana. Ai eu resolvi viajar e não mais pedi pro meu colega ir, ai fomos eu e Minoca, mas como o foguista faltou Minoca foi no trem da frente. Mas no caminho encontrei um acidente e passei um telegrama dizendo que 2 haviam morrido, onde vi duas pessoas de cabeça pra baixo e o Minoca sobreviveu. Ai como eu estava dizendo no inicio continuou o interrogatório por parte do advogado da Noroeste, a o doutor me disse senhor Natanael o senhor sabe ler eu disse que não, e então ele perguntou então como o senhor entrou na estrada e eu disse não sei. Então o doutor Castelo Branco disse assina aqui, peguei o papel e olhei e disse não vou assina, então ele disse mas o senhor não sabe ler e eu respondi não sei. E completei quem tem que assinar é o funcionário do qual chamo de doutor improvisado, pois foi ele que afirmou que o Minoca estava com pinga na Maria Fumaça, pois na verdade o que tinha lá era uma garrafa de café que ainda estava morna quando cheguei lá e disse isso é um mal que vocês querem fazer com o rapaz e achar um culpado. Ai o doutor disse que iria me mandar para Bauru no detector de mentiras ai eu disse pode até me mandar para o inferno. Pois o doutor diz que a composição estava a 60 por hora, quando na realidade ela estava no máximo a 20 por hora. Ai ele me disse o como o senhor sabe disse ai respondi porque sou mecânico. Depois de muitas idas e vindas antes demitiram o Minoca achando que ele era o culpado pelo acidente. Mas depois de um certo tempo o doutor me chamou e disse gostei do senhor, como o senhor sabe sou advogado e tenho que defender a empresa, mas chegamos a verdade e ninguém estava bebendo e com isso o Minoca foi readmitido e a família dele sempre foi grata a mim, pois fui o único que o defendi."

APOSENTADORIA E O TREM DO PANTANAL
Senhor Natanael disse que quando aposentou recebia o equivalente a 4 salários mínimos e hoje graças ao Fernando Henrique Cardoso (FHC) só recebe 2 salários, pois segundo ele FHC cortou 2 salários dele. Na verdade os políticos não gostam de aposentados, o único depois de todos esses anos que nos deu aumento foi o Lula, mas mesmo assim ainda acredita e vai votar mesmo já tendo 86 anos. E cita também que muito tempo foi delegado da ordem dos músicos aqui em Corumbá. E afirma que como aposentado esta passando dificuldades, pois os cortes iniciaram com o Fernando Collor, mas sendo o corte maior no governo FHC. Onde ele complementa: "O FHC me chamou de vagabundo por eu ser aposentado, mas e ele não seria também vagabundo pois se aposentou com 40 anos?"

Na opinião dele é preciso ser revisto o salários de todos os aposentados da nação, pois esta cada vez piorando mais, complementa.

Como um bom e verdadeiro ferroviário senhor Natanael se emocionou ao falar do trem do pantanal e disse que tem que ter muita coragem para reativá-lo. E com seu jeito simples disse: "(...) mesmo eu sendo um pé de chinelo sei que não poderei andar nesse trem que inventaram ser do pantanal pelo alto preço, mas seria bom pelo menos ir na estação e ter o prazer de ver a chegada e a partida do trem."

Ele complementa: "o governador Zeca tentou trazer o trem até aqui e isso lhe custou a eleição, pois todos culparam ele, quando na verdade quem não quis trazer o trem para cá foi o atual governador."

Mais uma vez conversamos com um verdadeiro ferroviário que trabalhou dês da Maria Fumaça e que como milhares de ferroviários foi prejudicado pelo governo do professor/sociólogo Fernando Henrique Cardoso (FHC).(Publicado na edição nº2701 do dia 25 de Outubro de 2014)