Política

Aécio volta ao Senado, se diz vítima de “ardilosa armação” e é ignorado pelos colegas

Fonte: Valor Ecônomico em 18 de Outubro de 2017

De volta ao Senado, Aécio Neves (PSDB-MG) fez um discurso no plenário da Casa no qual se disse vítima de uma "ardilosa armação", da qual teriam participado o empresário Joesley Batista, com quem foi gravado em conversas sobre um repasse de R$ 2 milhões e, acusou, integrantes "com assento" até pouco tempo atrás na Procuradoria-Geral da República. Caso de Rodrigo Janot, que deixou o comando da PGR em 17 de setembro.

"Fui vítima de uma ardilosa armação, uma criminosa armação, perpetrada por empresários inescrupulosos que se enriqueceram às custas do dinheiro público e não tiveram qualquer constrangimento em acusar pessoas de bem, nas buscas dos benefícios de uma inaceitável delação ora suspensa, em razão de parte da verdade estar vindo à tona", afirmou.

"Mas o mais grave: contribuíram para esta trama ardilosa homens de Estado, notadamente alguns que tinham assento, até muito pouco tempo, na Procuradoria-Geral da República (PGR)".

Aécio, que estava afastado do Senado desde 26 de setembro, sequer chegou a subir à tribuna. Fez sua fala, curta, do microfone usado pelos líderes para deliberações. Ao final, não foi aplaudido e recebeu cumprimentos de apenas parte dos colegas.

(...)