Cadê nossos representantes políticos?

Por Eliezer Inácio de Oliveira*

Estamos em Brasília, mais uma vez, na luta contra a PEC 241/16, enfrentando todas as dificuldades que para nós não é nenhuma novidade, na Câmara dos Deputados, tentando sensibilizar aqueles que foram eleitos pelo povo para nos representar, mas que na verdade só representam seus próprios interesses, tomando decisões sem sequer ouvir aqueles que os elegeram.

Nós, Servidores Públicos, concursados, cumpridores de nossos deveres e obrigações, nos sujeitamos às diversas humilhações para acessar a casa que elegemos como a casa do povo, tendo que usar de subterfúgios para alcançarmos nossos objetivos.

O que mais me causa espanto é olhar em volta e não enxergar os mais interessados que por inércia deixam o barco ser conduzido por uma rota conflituosa e sem perspectiva de chegada a um porto seguro.

A PEC 241 vem contra todas as expectativas da sociedade, tirando direitos dos trabalhadores, causando prejuízos à sociedade e ameaçando a saúde, educação e a segurança pública.

A sociedade brasileira tem que acordar e ir para as ruas contra a PEC 241 que no afã de compensar as roubalheiras praticadas por esses políticos que aí estão, tiram direitos historicamente adquiridos.

Essa PEC, que lesa a Pátria, já passou em primeiro turno na Câmara dos Deputados e hoje (25), conforme levantamento feito por coordenadores do SINDJUFE-MS, passará também em segundo turno, restando a todos nós, como última esperança, o Senado Federal, onde a PEC da maldade será discutida e votada também em dois turnos.

Isso nos dá gás para retomarmos essa luta no Senado Federal, casa comandada por Renan Calheiros, um aliado histórico do Governo que se acha acima da lei, autoritário e desrespeitoso com as instituições. Prova disso aconteceu esta semana quando adjetivou os Magistrados de primeira instância de "juizecos", atacando juízes de todo o Brasil na tentativa de desqualifica-los. Ele demonstrou, mais uma vez, de forma clara e incisiva o seu lamentável sentimento pelo servidor público. Então, temos uma luta árdua pela frente e precisamos contar com todos para unirmos forças na tentativa de rechaçarmos essa famigerada PEC da maldade.

*Coordenador do Sindjufe/MS (Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário Federal e Ministério Público da União)