Cantinho do Betão - RECUERDOS DOMBOSQUIANOS VIII

Por * Roberto Maciel(Betão)

Depois que o GTAAC chegou ao fim em 1.984, passei a trabalhar, a pedido do grande Mestre Sassida, com o período matutino, sondando o potencial da galera com pequenas esquetes, até que surgiu uma boa oportunidade de uma estreia oficial em palco com a presença de grande público: 25º aniversário da Cidade Dom Bosco, em que o grande Mestre Sassida deu-me a incumbência de preparar uma encenação sobre um dos sonhos de Dom Bosco: Um sonho aos 9 anos. Padre Ernesto orientou-me, montei o texto, escolhi os atores e ensaiei a encenação. Depois, com a ajuda da grande bailarina Sônia Ruas Rolon, fizemos a gravação da narração e da trilha sonora e no dia 3 de abril de 1.986 no Teatro Dom Bosco, às 20h, com a presença de grande público e inúmeras autoridades, inclusive a do então Governador do Estado, Marcelo Miranda. Na solenidade de inauguração do quadro do 1º sonho de Dom Bosco, reprodução pelo pintor Fausto Furlan, na dimensão de 6X4 metros.

A coisa não parou por aí. Logo em seguida, em 12/85, dei meu primeiro curso de teatro para o período matutino. Dos 23 inscritos, 16 receberam o certificado e, antes mesmo do término do curso, já usei alguns dos alunos para uma mini-peça de minha autoria, denominada SUPERMÃE, para participar de uma gincana transmitida pela rádio, no programa: "Um dia de Domingo", em homenagem ao dia das mães (11/5/86), no Riachuelo Futebol Clube.

Seguindo a essa apresentação, veio mais um "test drive" com a galerinha: a mini peça A Doce Vingança do Dr. Epaminondas, de minha autoria e direção.

O sucesso das apresentações trouxeram mais alunos para o 2º Curso de Teatro que dei em agosto de 1.986. Daí pude selecionar a elite que participaria da peça "AS CANIBOAS".

AS CANIBOAS
Além dos cursos, ainda fiz várias oficinas para melhor conhecer a turma e dava gosto ver aquela galera com idades variando entre 11 e 15 anos, trocarem seus finais de semana para virem ensaiar, dando sugestões, criando falas novas para o texto, opinando sobre o figurino e o futuro cenário.

Lembro-me, de que certa vez, um domingo, época em que conseguir carne não estava fácil, eu e alguns dos professores fizemos quota e fomos até um sítio para comprar uma novilha e dividi-la entre nós. Já estávamos a poucos dias da apresentação e eu marquei ensaio pela manhã, pedindo que esperassem até eu voltar. Houve atraso no abate e na distribuição da carne e, lá pelas 13 horas, cheguei ao Colégio só para desencargo de consciência, pois tinha certeza de que não encontraria mais ninguém por lá e, para minha surpresa, lá estava toda a galerinha. Já haviam ensaiado sozinhos e ainda fizeram questão de me apresentar outra vez.

"AS CANIBOAS"
A peça "As Caniboas" é uma homenagem à primeira peça levada pelo grupo GTAAC em 1.984. Conta a história de dois cientistas em selvas virgens, encontrando uma tribo de índias canibais... Uma comédia satirizando a atual crise da carne.
Autoria e direção: Roberto Maciel.
Apresentação: 21/12/1.986 - 17 e 20 horas.
Local: Teatro Dom Bosco.
Ingressos: Antecipado - Cz$ 10,00; Bilheteria: Cz$ 15,00.
Elenco:
Prof. Xexéu - Alexandre Maciel.
Secretário - Eduardo Henrique da Silva.
Guia e Fornecedor: Marcos Araújo Farias.
Rainha: Elizabeth B. Santana.
Índia: Eliane Franco da Silva.
Feiticeira: Giane Moura da Silva.
Menina: Elaine Conceição Ramos Maciel.
Diretor: Roberto Maciel.
Carregadores: Antonio Castedo, Marcos Serataya. Oilson Silva de Oliveira, Alex B. Santana, Henrique A. Ramirez.
Guerreiras: Vânia M. Lontra, Angélica Maria Ximenez, Genilce Saldanha Esquer, Elaine Cristina B. Santana, Adriana Cardoso de Sá, Luciene Xavier de Moura.
Dançarinas: Rosiane Ruth Albuquerque, Marcia Cândia, Telma da Costa Rodrigues, Regiane Florentin.
Ficha Técnica:
Sonoplastia: Luciano P. de Brito.
Cenário: Eder Zanela.
Iluminação: Honorino V. Da Silva.
Figurino: Tia Vitalina e Profª Henidi.
Coordenador das Danças: Joilson S. da Cruz.

Nossos agradecimentos ao deputado Armando Anache, que nos auxiliou na aquisição de materiais necessários aos figurinos. À Auto-peças 2.000, pelo patrocínio dos ingressos; Profª Sonia Rolon, que nos auxiliou na coreografia; Às rádios Clube e Difusora, pela divulgação e, em especial ao Padre Ernesto Sassida, que muito nos incentivou na arte teatral.

Hoje, em particular, quero agradecer a todos aqueles adolescentes, agora adultos e pais de família, por terem me dado a oportunidade de escrever estas memórias e reviver os velhos tempos.

* Membro da União Brasileira de Escritores