Cantinho do Betão - RECEITAS BOTEQUIANAS XXI

Por Roberto Maciel (Betão)

Corumbá comemora hoje 239 anos de vida e, pego de surpresa para esta edição especial, não tive tempo de poetar um SAUDADEANDO em homenagem à urbe querida mas, como toda comemoração merece um comes-e-bebes, vamos a uma receitinha de uma iguaria que muito lembra minha terra querida: o sarrabulho.

Cada um faz esse prato de um jeito e eu resolvi fazer uma coisa diferente, aproveitando uma sarrabulhada que fiz na casa de minha irmã.

MOCADINHO DE SARRABULHO (09/9/2017)
Como consegui guardar um pouquinho do sarrabulho que sobrou da comilança, para aproveitá-lo, resolvi escondê-lo num purê de mandioca.
O que usei:
- sobra de sarrabulho
- mandioca
- manteiga
- queijo ralado

Como eu fiz:
Como sou meio barbeiro na panela de pressão e o gás era novo, cozinhei a mandioca sem pressão mesmo. Como a bichinha era boa, só 15 minutinhos de fervura, deixaram-na em ponto de bala.
Usando um garfo fui amassando a mandioca ainda quente, até torná-la uma pasta.
Adicionei manteiga e queijo ralado, continuando o amassamento até dar liga boa.
Esparramei uma parte do purê num pirex, e juntei o sarrabulho previamente descaldado e aquecido, formando uma camada.
Cobri tudo com uma camada do purê, finalizando com umas fatias de muçarela por cima.
Alguns minutos no forno foram o suficiente para deixar a iguaria degustável.
UMA SUGESTÃO

Na minha humilde opinião, a alma do sarrabulho é o fígado e se você não tem um sarrabulho em mãos, improvise, fazendo um sarrabulho pobre, usando fígado, carne moída e batatinha, que dá o mesmo sabor. Depois, esconda-o num purê de mandioca ou de batata doce.
.x.x.x.x.x.x.x.x.
Outro pitéu que eu adorava e que minha querida mãe fazia muito bem, era língua com batatinha. Aproveitando o níver da Cidade Branca, aí vai mais uma delícia que eu, modéstia à parte, adaptei à minha culinária botequiana:

LÍNGUA COM BATATA À MODA DO BETÃO
(07/9/2017)
O que usei:
-língua bovina em cubos
-batatinha em cubos
-bacon em cubos
-sal e limão (tempero)
-cebola, alho, tomate, pimentão
-caldo de costela
-tomate cereja
-hortelã
-cheiro verde

Como eu fiz:
Na noite anterior, após voltar do boteco, dei uma fervura na língua, prá mode uma amolecidinha básica, utilizando a panela de pressão.

No dia seguinte, após tirar toda aquela casca, cortei a lambedora em cubos médios, temperando-os com sal e limão, deixando marinar.
"encubei" o bacon, a batata e os demais ingredientes (pimentão, tomate, cebola e alho)

Bacon na panela, soltando seu caldinho e um frito rápido nos cubos de língua
Cebola...alho...tomate e pimentão (as reticências foram o pequeno espaço entre a cebola e o alho, para que deixassem seu sabor)

Um pouquinho de água na mistura para formar um molhinho prévio.

Acrescentei os cubos batatíferos à mistura e mais um tico de água, enquanto preparava o grã-finale.

Tomate cereja é caro, mas como em minha hortinha este ingrediente abunda, catei um punhadão, coloquei-os no liquidificador com um pouco de água e meio envelopinho de caldo de costela, fazendo o molhete final.

Depois de tudo fervendo na panela, quase no final, acrescentei algumas folhas de hortelã (tembém da minha horta) prá mode dar uma refrescadinha no prato

Para encerrar, adicionei o cheiro verde.

Obs: Desta receita, infelizmente, não tenho foto pois, prá me deixar babando de inveja, a consorte (com sorte mesmo) estava curtindo minha querida urbe e levou minha câmera fotográfica.

PARABÉNS, CORUMBÁ, PELOS SEUS 239 ANOS, SÃO OS DESEJOS DE SEU QUERIDO FILHO BETÃO.