Fator Obnubilador

Por * Rosildo Barcellos

Cientificamente falando, na conquista de espaço, inclusive no se fazer respeitar, a violência se opõe à diplomacia e com isso, o indivíduo que consegue controlar seus impulsos são cidadãos denominados pacificadores.

Entretanto para se chegar a comemoração do Dia Nacional da Consciência Negra, houve muita luta.Aliás para se chegar a lei 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que estabeleceu que, a partir daquele ano, o dia 20 de novembro passasse a ser uma data para celebrar o sobredito dia foi uma" luta" para se lembrar da luta.Uma vez que foi(considerado) neste dia, no ano de 1695, que Zumbi, líder do Quilombo dos Palmares, depois de buscar a defesa da cultura e da liberdade, morreu em combate, liderando seu povo e sua comunidade.

A data, além de servir como um momento de conscientização sobre a importância da cultura e do povo africano na formação da cultura nacional serve para a reflexão sobre a colaboração dos africanos, durante nossa história, nos aspectos políticos, sociais, gastronômicos e religiosos de nosso país. É certo que o grande debate atual é sobre as alternativas de um desenvolvimento sustentável e a superação dos conflitos étnicos e as desigualdades alinhavadas pela resistência de valores dos povos e fundamentadas no clamor pela equidade.

Justifica-se ser um momento perfeito de buscar a pauta pela discussão de políticas educacionais voltadas à qualificação e preparação dos indivíduos para a vida em sociedade, não somente de indígenas, caboclos, pardos, negros, mulatos, mamelucos e cafuzos, mas discutir o papel da sociedade perante a formação das crianças neste ambiente com vistas ao nosso próprio futuro, haja vista que muitos, estigmatizados, descobrem nas drogas e, posteriormente, na violência uma suposta solução para seus conflitos, rancores e penares, multiplicando os seus ais.

José do Patrocínio, Machado de Assis, João Cândido, e do nosso meio, Amarildo Valdo da Cruz, os irmãos André e Paulo Freire Thomaz, Ayrton de Araújo, Jose Antônio Pereira dos Santos, Francisco Almeida Teles, Luiz Mário do Nascimento Cambará, Orzírio Neves Dias, Oriovaldo Soares (Cordão Cravo Vermelho), Marinalva Pereira, Rudy Nolasco (idealizador e produtor do Concurso Beleza Negra há 10 anos), Ruiter Cunha, entre outras personalidades brasileiras mostraram que, a cor não é fator obnubilador para a convivência igualitária entre os homens. Realmente, a união, a paz e respeito mútuo são balizas que devem prevalecer, independente, da classe social e da origem racial, ainda mais no nosso país, onde a miscigenação é a marca do nosso povo.
*Articulista