Agronegócios

Energisa apresenta primeiros estudos sobre energização de áreas rurais do Pantanal na sede do Sindicato Rural de Corumbá

Fonte: Nathalia Claro em 02 de Março de 2016

Divulgação

As dificuldades no acesso da energia elétrica nas áreas rurais vêm sendo discutida pelo Governo Federal através da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) deste 2007, na tentativa de se elaborar propostas para a ampliação no atendimento elétrico em áreas mais isoladas. Serviços de iluminação, bombeamento d'água, comunicação, refrigeração, além de iluminação para postos de saúde, escolas e processos agrícolas são prejudicados pela precariedade do suprimento elétrico. Isto é causado pela baixa demanda dos centros rurais que contam com um número notoriamente menor de consumidores do que em áreas urbanas, somada a complexidade logística, a dispersão espacial entre as residências e finalmente a ausência de um planejamento energético nessas localidades.

Isto posto, por inciativa do Governo Federal, representantes da empresa fornecedora de luz no Mato Grosso do Sul, Energisa, estiveram na sede do Sindicato Rural de Corumbá na última quarta-feira (24) para discutir as possibilidades de um projeto de ampliação do atendimento elétrico nas áreas rurais compreendidas dentro do Pantanal sul-mato-grossense.

Segundo o vice-presidente do grupo Energisa, Danilo de Souza Dias, estes são os primeiros estudos que irão delinear soluções de atendimento para o polígono do Pantanal.



"O polígono pantaneiro não é homogêneo, com tênues diferenças ambientais e socioeconômicas. Logo, as soluções encontradas serão distintas, respectivas a cada área analisada. Essas soluções serão propostas no âmbito deste estudo que consistirá em um levantamento rigoroso de campo, de aprofundamento técnico conveniente a cada tipo de configuração, de situação, em um prazo médio de um ano de análises que serão apresentadas ao órgão regulador, à sociedade civil, aos sindicatos, em suma, a todos os atores envolvidos, numa audiência pública. Esta é a perspectiva deste estudo que chamamos de Projeto Pantanal que integra a obrigatoriedade da concessionaria em prover nossa área de concessão que abrange também as áreas rurais pantaneiras".

As configurações do Pantanal foram debatidas no inicio do mês junto a técnicos e pesquisadores da Embrapa Pantanal e do Instituto Lactec, para a determinação de fontes mais eficientes, em aspectos técnicos, econômicos e ambientais, para o fornecimento de energia, como a distribuição por meio de cabeamento, fontes eólicas, solar e biomassa. O projeto, que foi iniciado no final de 2015, tem previsão para no final deste ano ter já um plano de ação para finalmente ser colocada em prática a universalização elétrica no território rural do Pantanal, bem como de todo o Brasil rural.