Fronteira

MPF quer maior efetivo da PRF na fronteira de Mato Grosso do Sul

Fonte: Assessoria de Imprensa MPF-MS em 27 de Abril de 2016

Para evitar fechamento de postos de fiscalização, MPF quer destinação de mais PRFs a MS.

Divulgação/PRF

O Ministério Público Federal (MPF) em Mato Grosso do Sul recomendou à Diretoria Geral da Polícia Rodoviária Federal (PRF) que reavalie os critérios de distribuição de policiais rodoviários federais ao longo da faixa de fronteira, especialmente em MS. O objetivo é evitar que a redução do efetivo no estado ocasione o fechamento de postos recém-reformados e prejudique a segurança pública por falta de fiscalização.

Segundo informações obtidas pelo MPF, dos 579 novos policiais a serem nomeados, apenas 20 serão lotados em Mato Grosso do Sul - estado que já possui número insuficiente de policiais e que, nos últimos anos, contabiliza grande número de aposentadorias.

"A título de comparação, o estado do Ceará, com 2191 km de rodovias federais pavimentadas, tem 419 servidores. Já Mato Grosso do Sul, com 3822 km de estradas federais (74% a mais) possui apenas 403 policiais". A situação ainda é agravada pela dupla fronteira do estado, com a Bolívia e com o Paraguai.

Contrastes
Apesar do baixo efetivo, a produtividade dos PRFs no estado é destaque no país. Só em 2015, 34% de toda a carga de cigarro, 24% da de cocaína e 35% das apreensões de maconha realizadas no Brasil foram em Mato Grosso do Sul.

No ano passado, R$ 3.961.371,00 foram gastos em reformas de postos rodoviários no estado, além a implementação de moderno sistema de rádio digital. "Apesar dos avanços estruturais, se a baixa destinação policiais a Mato Grosso do Sul se concretizar, haverá a malversação de recursos públicos, já que o efetivo insuficiente obrigará o fechamento de postos recém-reformados", enfatiza o MPF.

A Diretoria Geral da PRF tem 15 dias para informar o acatamento da recomendação ou justificar razões para seu não atendimento.