Eleições 2016

Polícia Federal investiga crime eleitoral de prefeito e vereador eleitos

Fonte: Rodolfo César/Correio do Estado em 06 de Outubro de 2016

Reprodução/TSE

Candidatos eleitos Baianinho (vereador) e Ruiter Cunha (prefeito).

Suspeita é que candidatos teriam pago para realizar transporte de eleitores

A Polícia Federal investiga o candidato eleito a prefeito de Corumbá Ruiter Cunha (PSDB) sobre possível crime eleitoral. Os agentes fizeram operação especial neste final de semana e identificaram suspeitas tanto envolvendo Ruiter, como o segundo vereador mais votado na cidade, Irailton Oliveira Santana, o Baianinho (PSDB).

O trabalho de investigação contou com 32 policiais e houve ainda duas prisões em flagrante, informou a assessoria de imprensa da PF em Corumbá. As detenções foram feitas em frente a duas escolas onde aconteciam a votação no domingo (2).

A principal suspeita é que os homens detidos, que eram bolivianos, conduziam veículos com placas do país vizinho transportando irregularmente eleitores brasileiros. A investigação apura se o transporte, que teria custado R$ 40, teria sido pago pelos candidatos eleitos.

Ao todo, 13 eleitores foram ouvidos como testemunhas e liberados. Os motoristas dos veículos foram soltos na segunda-feira (3) por determinação da Justiça. Os veículos utilizados para transportar eleitores estão apreendidos no pátio da Polícia Federal de Corumbá.

Na mesma operação, agentes realizaram duas buscas e apreensões na casa e no comitê do candidato eleito Baianinho. A denúncia era de que haveria R$ 1 milhão no local e um caminhão de gás. Nada foi encontrado, mas os agentes apreenderam celulares e uma agenda do ex-presidente do Sindicato dos Taxistas da cidade. Os objetos já foram devolvidos a ele hoje à tarde.

INVESTIGAÇÃO
O inquérito em andamento tem prazo de 10 dias para conclusão, sendo que esse prazo pode ser prorrogado por igual período.

Depois disso, o delegado responsável oferece a denúncia à Justiça Eleitoral e envia a investigação ao Ministério Público Eleitoral. Entre as penas para o crime está a de não diplomação ou cassação do mandato.

No dia da eleição, candidatos são proibidos de oferecer transporte, combustível ou alimentação a eleitores. O apoio só pode ser fornecido pela Justiça Eleitoral, no caso de pessoas que morem na zona rural.

OUTRO LADO
A reportagem tentou contato com Ruiter Cunha e um assessor dele, mas os dois telefones estavam desligados.

Já Baianinho fez questão de negar qualquer tipo de irregularidade. "Falaram que tinha R$ 1 milhão em casa, caminhão de gás. Nada foi encontrado. Tenho um cofre em casa, chamaram chaveiro para abrir e não tinha nada", afirmou por telefone ao Portal Correio do Estado.

O candidato eleito para a Câmara de Corumbá disse que nunca tinha visto os bolivianos que foram detidos. "Nunca vi eles na minha vida", afirmou. Sobre a relação da denúncia envolvendo Ruiter Cunha, ele defendeu o colega de coligação. 'Tenho certeza que o Ruiter não fez isso. Não teve nada de irregular", garantiu.

Nas cidades da fronteira entre Brasil e Bolívia, estima-se que há 800 brasileiros que votam em Corumbá.

ELEIÇÃO
Ruiter Cunha (PSDB) derrotou o atual prefeito Paulo Duarte (PDT) no domingo. O candidato do governador Reinaldo Azambuja recebeu 23.566 votos (46,41%), contra 21.027 (41,41%) de Paulo Duarte.

Baianinho (PSDB) foi o segundo candidato à Câmara mais votado. Ele recebeu 1.524 votos, sendo esta a primeira eleição que participa. Antes, o candidato tinha sido presidente do Sindicato dos Taxistas de Corumbá por três anos. O eleito faz parte da chapa PSDB-PSDB/Rede-PHS