Saúde

Saúde trabalha para eliminar principais depósitos com focos do Aedes

Fonte: Assessoria de Imprensa PMC em 09 de Novembro de 2016

Ação visa eliminar focos de proliferação do mosquito, como nos depósitos que reservam água localizados a nível de solo.

Arquivo Correio de Corumbá

As equipes da Secretaria de Saúde da Prefeitura de Corumbá estão desenvolvendo ações no sentido de eliminar os focos de proliferação do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue 1, 2, 3 e 4; zika vírus; chikungunya, e febre amarela.

Os trabalhos fazem parte das ações desencadeadas pelo Centro de Controle de Vetores (CCV), após a realização do Levantamento do Índice de Infestação do Aedes aegypti (LIRAa), que apontou uma incidência de infestação de 1,90% na área urbana.

A coordenadora do CCV, Grace Bastos, informou que o trabalho está focado nos depósitos com focos do mosquito. Segundo ela, 85% dos focos foram localizados em depósitos/reservatórios de água a nível de solo, e precisam ser eliminados com apoio, principalmente, da população.

"As ações para bloqueio da dispersão desse mosquito está ocorrendo por meio de um trabalho educativo, limpeza, desinfecção com uso do hipoclorito de sódio e tratamento com larvicida, atingindo os imóveis com foco", informou.

O produto químico foi cedido pela Vigilância em Saúde Ambiental. Além disso, as Unidades de Saúde terão um papel importante, mantendo uma parceria com o Centro de Controle de Vetores, ligados ao setor de Vigilância em Saúde, reforçando o trabalho.

Outros locais que estão merecendo atenção especial são os depósitos fixos, de lixo (recipientes plásticos, latas), sucatas e entulhos. Nestas situações os moradores estão sendo orientados para fazer a limpeza, eliminando os focos. Grace alerta que, em caso de recusa ou se for reincidente, o morador será notificado com base no que prevê a legislação.

LIRAa
O último LIRAa foi realizado no final de outubro e apresentou um índice de infestação pelo mosquito Aedes aegypti de 1,90%, acima do aceitável pela Organização Mundial de Saúde que é de até 1%. O trabalho foi feito em 19 bairros da cidade, além da área central que é dividida em duas regiões.

O bairro com maior incidência de infestação foi o Previsul com 6,25% (100% em depósito de água a nível de solo), seguido da Popular Velha com 5,95% (100% em depósito de água nível de solo); Maria Leite com 4,27% (60% em depósito de água nível de solo, 20% em pequenos depósitos móveis e 20% em depósitos fixos)

Outros bairros com índices acima do aceitável são o Centro América com 3,77% (66,67% em depósito de água nível de solo, 33,33% em pequenos depósitos móveis); Universitário com 3,45% (50% em pequenos depósitos móveis, e 50% lixo); Nossa Senhora de Fátima com 2,86% (100% em depósito de água nível de solo).

Foram encontrados focos também no Guató, 2,67% (50% em depósito de água nível de solo, 25% em pequenos depósitos móveis e 25% em depósitos fixos); Cristo Redentor com 2,15% (50% em depósito de água nível de solo, 50% em pequenos depósitos móveis); Nova Corumbá com 1,75% (100% em depósito de água nível de solo).

O Jardim dos Estados está com 1,33% (100% em depósito de água nível de solo); Popular Nova com 1,32% (100% em depósito de água nível de solo); Centro II com 1,29% (50% em depósito de água nível de solo, e 50% em pequenos depósitos móveis).

Já o Aeroporto está com 0,83%, abaixo do aceitável (100% em pequenos depósitos), assim como o Centro I que ficou com 0,53%, sendo 100% em depósitos fixos). Nos bairros Generoso, Beira Rio, Industrial, Dom Bosco, Arthur Marinho, Cervejaria e Guarani não foram encontrados focos do mosquito.