Fronteira

Avião que transportava Chapecoense era visto constantemente no Aeroporto de Porto Suarez

Fonte: Da Redação em 29 de Novembro de 2016

Imagem da aeronave no dia 30 de março de 2016 no Aeroporto de Porto Suarez.

Alle Yunes/Correio de Corumbá

Avro RJ85 é um avião de rotas regionais com perfil de operação em pistas curtas e já possuía 17 anos de uso.

No dia 30 de Março de 2016, nossa equipe de reportagem presenciou o único avião da companhia aérea boliviana LaMia (Linha Aérea Mérida Internacional de Aviação), que transportava a delegação da Chapecoense que acabou sofrendo o acidente na madrugada desta terça-feira (29) na região de Medelín na Colômbia, estacionado na pista do Aeroporto Internacional de Porto Suarez, na ocasião da visita do presidente boliviano Evo Morales.

Essa foi a segunda vez que a delegação da Chapecoense embarcou nesse avião, no dia 17 de Outubro, o time pegou um voo de Belo Horizonte até Corumbá, onde desembarcaram no Aeroporto Internacional e tomaram um ônibus até Porto Suarez, onde a aeronave esperava para embarque rumo a cidade colombiana de Barranquilla onde enfrentaria o time da casa, o Junior pelas quartas-de-final da Copa Sul-americana, essa aeronave transportou a Seleção da Argentina até Belo Horizonte no início de Novembro para o confronto com a Seleção Brasileira pelas eliminatórias para a Copa do Mundo (foto abaixo).

De acordo com o site AirWay, especializada em aviação, esse de origem britânica, o Avro RJ85 nasceu como British Aerospace 146 e tinha uma configuração original, com asas altas e quatro pequenos motores turbofans sob as asas, além de capacidade para transportar de 70 a até mais de 100 passageiros. Um dos seus diferenciais é justamente operar em pistas curtas, característica necessária em regiões com pouca infraestrutura aeroportuária ou mesmo montanhosa como o local da queda do avião.

Ainda de acordo com a AirWay, o exemplar que levava o time brasileiro para Medellín, na Colômbia, foi fabricado em 1999 e entregue originalmente para a companhia regional americana Mesaba. Em 2007 foi repassado para a empresa irlandesa CityJet e chegou a voar com as cores da Air France. Em 2013, foi comprado pela LaMia para operar na Venezuela. No ano passado, ele passou a voar na Bolívia.

O Avro RJ85 não tinha um acidente fatal desde 2002, segundo o site Aviation Safety, sobre segurança aérea, mas a versão anterior, BAe 146, registrou três acidentes nos últimos três anos, com companhias do Leste Europeu e também na África. No total, há registro de 17 acidentes fatais, finaliza a reportagem da revisra.

No voo estavam 81 pessoas, incluindo 72 passageiros e nove tripulantes. No total, eram 48 membros da Chapecoense, incluindo 22 jogadores, 21 jornalistas e três convidados, além da tripulação, apenas 06 sobreviveram: o lateral esquerdo Alan Ruschel, o goleiro Follmann e o zagueiro Neto. O jornalista Rafael Henzel e os tripulantes Ximena Suarez e Erwin Tumiri completam a lista de sobreviventes. (Com informações da AirWay e UOL)

(Fotos: Tuitter/Facebook/Reuters)