Saúde

Especialidades garantem alto nível de serviços na Santa Casa

Fonte: Nelson Urt em 16 de Dezembro de 2016

Aparelho de tomografia digitalizada acelera exames e diagnósticos na Santa Casa.

Navepress

Quando a equipe do Correio de Corumbá chega à Santa Casa, o supervisor do Centro de Tomografia acaba de registrar o exame número 1129 em um paciente. Desde que o aparelho foi instalado, o fluxo e o processo de atendimento de pacientes teve um ganho considerável. "Os pacientes em tratamento de câncer foram os mais beneficiados em função da precisão e rapidez dos diagnósticos, porque esse aparelho detecta qualquer mancha no corpo", afirma o supervisor Élio Costa de Almeida Júnior. "Sem contar que antes da chegada da tomografia, em março, todos esses exames tinham de ser feitos em Campo Grande, o que exigia um desgaste muito maior para os pacientes", acrescenta.

O Centro de Tomografia funciona em uma unidade anexa ao prédio da Maternidade de Corumbá. Dos pacientes que passam por esse exame de alta precisão, 90% são conveniados do Sistema Único de Saúde (SUS). O laudo da tomografia fica pronto em um ou dois dias. A imagem é lançada no sistema informatizado, tudo online, ou seja, um médico oncologista que está em Campo Grande pode automaticamente observar se existe um tumor ou não no paciente.

O exame de tomografia digitalizada é apenas um entre os principais avanços das especialidades oferecidas pela Santa Casa, que é dirigida por uma junta interventora presidida pelo médico Cristiano Xavier. Recursos municipais, estaduais e federais são responsáveis pela administração. Qualquer atraso quebra o fluxo de atendimento, pois impede a reposição de materiais. Neste mês houve atraso nos recursos provenientes do Estado.

A Santa Casa dispõe de 187 leitos, todos climatizados. O Centro de Tratamento Intensivo (CTI), a Maternidade, a ala de psiquiatria, o setor de hemodiálise são outros serviços oferecidos pelo hospital que garantem o nível elevado de atendimento e, pouco a pouco, fazem com que pacientes não precisem mais procurar tratamento na Capital, onde os gastos são dobrados e o desgaste maior.
 
Oncologia avança com cinco médicos
Um dos maiores avanços constatados pelo presidente da junta interventora, Cristiano Xavier, está no Centro de Oncologia, onde hoje são atendidos 120 pacientes na hormônioterapia e outros 40 na quimioterapia. "A diferença maior é que antes tínhamos apenas um médico e hoje temos cinco, contamos com uma equipe multidisciplinar, o quadro foi ampliado para melhorar a qualidade de atendimento", destaca Xavier. E uma das funcionárias mais antigas da unidade é a psicóloga Rosa Dias, responsável por ministrar terapias em grupo para os pacientes em tratamento de câncer. "Aqui buscamos a valorização da vida", ressalta Rosa. 

Psicóloga coordena terapia em grupo com pacientes do Centro de Oncologia.

CTI implanta o médico horizontal
O Centro de Tratamento Intensivo (CTI) é uma das referências da Santa Casa. É comandado pelo médico Manoel João Oliveira. Possui o médico plantonista e o chamado médico horizontal, diarista, aquele que passa todo dia em visita aos pacientes, para estar a par da evolução do quadro de cada um deles. O sistema faz parte de um processo de humanização implantado no CTI. 

Hospital tem ala psiquiátrica especial 
Desde 2013, pacientes com transtornos mentais ganharam uma ala de psiquiatria exclusiva para internação e tratamento na Santa Casa de Corumbá. Antes desse procedimento, não havia outra saída a não ser encaminhar os pacientes para uma clínica de Campo Grande, onde as vagas são limitadas e a fila de espera é longa. 

Neurocirurgião continua em falta 
A Santa Casa de Corumbá ainda possui algumas carências, de acordo com o médico Cristiano Xavier, e uma delas é a ausência de um neurocirurgião. Mesmo com aumento na oferta salarial, não houve até agora a possibilidade de contratar um profissional com essa especialização, que prefere aceitar propostas de centros maiores, por salário ainda mais elevados. Um neuro-cirurgião chega a receber acima de R$ 60 mil mensais. Em caso de trauma crânio-encefálico, por exemplo, o paciente recebe os primeiros cuidados no CTI da Santa Casa, para ser mantido vivo, e depois é enviado a Campo Grande.