Meio Ambiente

Bombeiros enfrentam fumaça, abelha e água na cintura para o combate as chamas no Pantanal

Fonte: Da Redação em 11 de Janeiro de 2017

Divulgação/3ºGB

A queima é lenta e as chamas chegam a 5 metros de altura, combate será retomado na manhã de quinta.

Após um árduo dia de trabalho para conter o grande incêndio no Pantanal, próximo à área urbana de Corumbá, a guarnição do Corpo de Bombeiros, retornou para a cidade por volta das 19 horas dessa quarta-feira (11). O grupo iniciou o combate no início da manhã e retornará na manhã dessa quinta.

De acordo com os combatentes, depois de acessar o terreno a equipe percorreu um longo trecho em caminhada com equipamentos necessários para o combate uma vez que a área atingida se encontra distante do Rio Paraguai, a equipe verificou que a queima da vegetação está sendo lenta e gradual ou seja em trechos onde a vegetação apresenta características do cerrado com arbustos retorcidos a queima e progressiva e próximo das lagoas e chacos encontra se os baceiros, que apesar de estar em área encharcada e úmida ,também está queimando.

"A grande dificuldade da equipe e acessar essa área onde o fogo consome os baceiros, e quase impossível deslocamento nesse trecho, chegando os militares a ficar com água pela cintura, nos trechos próximos a lagoas existe área de capão (mancha de vegetação arbórea) que com a queima as chamas chegam a atingir aproximadamente 5 metros de altura", relata o Cabo André Marti.

Segundo relatos dos combatentes, os fatores dificultaram no primeiro dia de combate ao fogo, foram a fumaça produzida nessa queima lenta dos baceiros, ela envolve todo o local e torna o ambiente insuportável para respiração e as abelhas, que estavam em processo migratório durante o combate das equipes.

O comandante do Batalhão terá uma reunião com o comando da Marinha do Brasil, para realizar outro sobrevoo na área em chamas, será de suma importância para traçar um plano estratégico de combate. (Com informações do 3ºGB)