Meio Ambiente

PMA inicia “Operação Carnaval” nesta sexta-feira priorizando o combate à pesca predatória

Fonte: Assecom/PMA em 24 de Fevereiro de 2017

Arquivo

A Polícia Militar Ambiental dá início nesta sexta-feira (24), a partir 8h, a "Operação Carnaval", que será executada em todos os rios do Estado até o próximo dia 2 de março. Mesmo sendo realizada durante o período da Operação Piracema, iniciada em novembro de 2016, a "Operação Carnaval" mantém o foco principal na prevenção e repressão à pesca predatória.

Coincidentemente com a última operação realizada em fevereiro do ano passado, a pesca estará fechada durante o período de carnaval em todos os rios do Estado, com exceção da calha do Rio Paraguai, que desde o dia 1º de fevereiro está aberta a modalidade pesque-solte. De acordo com as informações repassadas pela PMA, a pesca já estará aberta a partir do dia 1º de março (quarta-feira de cinzas).

ESTRATÉGIA: Como a pesca está aberta na modalidade pesque-solte na calha do rio Paraguai, o comando da PMA reforçará o policiamento em Corumbá e Porto Murtinho, cujas áreas envolvem a calha do referido rio. As outras cidades com tradição carnavalesca, que receberão maior número de turistas, tais como: Bonito, Jardim, Coxim, Aquidauana e Miranda receberão efetivo da sede (Campo Grande) e de outras subunidades localizadas em cidades que não possuem movimentação durante o Carnaval.

Em razão de a pesca permanecer fechada também na bacia do Rio Paraná até o dia 28 de fevereiro, também serão reforçadas as subunidades dos municípios de Bataguassu, Aparecida do Taboado, Batayporã e Três Lagoas, além dos postos fixos das cachoeiras do Rio Anhanduí, em Bataguassu, Rio Verde, em Água Clara e Salto do Pirapó, em Amambai. Além disso, os demais postos instalados nas cachoeiras e corredeiras no decorrer da operação piracema também contarão com reforços neste feriado prolongado.

Equipes da sede (Campo Grande) também farão fiscalização itinerante, exercendo serviços de barreiras e fiscalização fluvial, especialmente nas regiões de divisas do Estado e fronteira. Aproximadamente 361 homens (80% do efetivo) estarão envolvidos na operação, pois os comandantes das 25 subunidades empregarão todos os policiais, inclusive, o pessoal do administrativo, no trabalho de fiscalização.

Apesar do foco ser a fiscalização à pesca, outros tipos de crimes ambientais serão combatidos neste período, tais como: o desmatamento ilegal, exploração ilegal de madeira, incêndios, às carvoarias ilegais e ao transporte de carvão e de outros produtos florestais, transporte de produtos perigosos, caça, bem como demais crimes contra a flora e fauna e ainda de atividades potencialmente poluidoras. Crimes de outra natureza também serão coibidos nas barreiras da PMA, como tem sido feito nos trabalhos rotineiros, quando se tem apreendido drogas, armas, contrabando, veículos furtados e roubados e outros.