Carnaval 2017

Major Gama homenageia centenário do samba e Caprichosos leva enredo irreverente "que rei sou eu?”

Fonte: Da assessoria PMC em 27 de Fevereiro de 2017

Renê Marcio Carneiro e Gisele Ribeiro/PMC

MAJOR GAMA
O samba, considerado um gênero musical tipicamente brasileiro, foi o homenageado no desfile da primeira escola de samba do grupo de acesso a se apresentar no domingo, a Unidos da Major Gama. Com uma pegada descontraída, malemolente e cheia de charme, a comissão de frente composta por dez bailarinos levou para a avenida a dança de gafieira com indumentárias típicas e passos marcados.

O carro abre-alas representou a negritude, contextualizando a história das primeiras batucadas, assim como os jogos de capoeira no Brasil, bem como a primeira ala que fez uma homenagem aos negros sambistas introdutores do ritmo. As baianas desfilaram como ‘Tia Ciata', um ícone do samba no país. A segunda, a quarta e a oitava ala representaram artistas essenciais para o sucesso da música brasileira, foram eles: Cartola; Noel Rosa e Carmem Miranda.

A composição épica, Aquarela do Brasil foi retratada na terceira ala com muita brasilidade e detalhes favorecendo as cores da bandeira do Brasil, verde, amarela, azul e branco. Em seguida, o casal de mestre sala e porta bandeira, Will Smith e Tatiane Brasil, que defendeu com garra o pavilhão da escola, mostrou suas habilidades através da expressão de um povo que sonha e luta pela liberdade de ser feliz.

O Rei do Samba também foi lembrado na quinta ala, que narrou a trajetória das grandes composições melódicas de Geraldo Pereira. Seguida pelo segundo carro alegórico representando as noites do samba em bares. A sexta ala trouxe para a passarela do samba um pouco do Cacique de Ramos, um bloco alusivo a um índio. Muito famoso no país, a agremiação é um celeiro de sambistas.

O coração da escola pulsou mais forte com o ritmo do samba. A bateria comandada pelo mestre Gerson Cezar levou para o público a euforia da maior festa de Corumbá. O carnaval foi retratado pelos 80 ritmistas fantasiados de Rei Momo. A rainha da bateria, Ariane Urquiza, veio como a Dama da Corte.

A sétima e a décima ala vieram enfatizando os sucessos musicais, bem como as notas utilizadas para dar a cadência certa ao samba. Com os nomes, Conto de Areia e Nota Musical, as alas deram destaque às penas, arranjos de cabeça, tecidos brocados e babados. Já a nona ala mostrou perfeitamente o gingado do malandro sambista que, além de galanteador, é um excelente pé de valsa.

O terceiro e último carro alegórico finalizou o desfile com personagens característicos do samba, tais como: sambistas nas rodas de samba munidos de pandeiros e tamborins; assim como passistas que representaram a vivacidade do carnaval e o lado sensual da mulher brasileira.

CAPRICHOSOS
A Caprichosos de Corumbá foi a segunda escola a entrar na passarela do samba. A comissão de frente ‘clareou' a avenida General Rondon, simbolizando o Astro Rei, com 12 integrantes vestidos nas cores laranja, branco e dourado, que trouxeram a história do brilho incandescente das manhãs de um novo dia.

Com o enredo irreverente, a escola trouxe para a avenida um questionamento escondido no ego de cada ser humano: "que rei sou eu?". A alegria e desenvoltura dos 400 componentes, divididos em 14 alas, fez com que o enredo caísse nas graças dos expectadores que lotaram as arquibancadas, desde a rua Frei Mariano até o final da avenida.

As alas trouxeram alguns estereótipos de reis, além de um ser superior criado no imaginário popular: Rei Midas; Rei Arthur; Rei das Cartas do Baralho; Rei e Rainha da Beleza; Rei do Xadrez; Rei Netuno; Rei Leão; Rei do Gado; Rei do Baião; Maria Bonita; Zumbi dos Palmares; Rei do Futebol; Rei do Brasil e por fim, o Rei da Música.

Quatro carros alegóricos trouxeram em seu contexto o Rei banhado a ouro; Rei da Cozinha, mais conhecido como Mestre Cuca; Rei do Cangaço e por último, o Rei da maior folia do país, o Rei Momo. O coração da escola composto por 60 integrantes e regido pelo Mestre Maurício César, o Xixo, veio representando o Rei do Cangaço. À sua frente, a madrinha da bateria, Cartilene Ana Diniz, desfilou como a Luz Solar.

Defendendo o pavilhão e a onça pintada, símbolos da escola, o jovem casal de mestre sala e porta bandeira, Thassyla e Luiz Antonio, deram um show à parte durante todo o percurso. Empolgando o público, a Caprichosos de Corumbá passou pela avenida com força de vontade, garra e muita organização para conquistar um lugar entre os primeiros colocados deste ano.