Cidade

Moinho e Vale reverenciam mulheres e a luta que transforma vidas

Fonte: Assessoria Moinho em 09 de Março de 2017

Encontro no Moinho Cultural discutiu necessidade de empoderamento das mulheres.

Assessoria Moinho

No Dia Internacional da Mulher, o Instituto Moinho Cultural Sul-americano e a Vale destacaram os crescentes números de violência - 500 mulheres acima dos 16 anos sofreram algum tipo de agressão, por hora, no Brasil em 2016, de acordo com pesquisa do Fórum Brasileiro de Segurança Pública/Data Folha - e reverenciaram mulheres que lutam para transformar vidas, durante encontro na sede do Moinho.

Em palestra a funcionárias da Vale, Márcia Rolon, diretora executiva do Moinho, apresentou sua trajetória de vida, da infância na fazenda da família no Taquari, a enchente que forçou a mudança para a cidade, até a formação em Educação Física, nos cursos de dança e na parceria com a Vale, que resultaram na realização de seu grande sonho, a criação do Moinho Cultural.

Olemar Tibães Junior, gerente de operações da Vale, falou sobre movimento "Eles por Elas".

Por sua vez, durante encontro com as funcionárias, o gerente de operações e relações institucionais da Vale na região, Olemar Tibães Junior, reafirmou o apoio da Vale ao movimento "Eles por Elas", criado pela ONU Mulheres, entidade das Nações Unidas para a igualdade de gênero e o empoderamento das mulheres.

Representando as mães dos 280 beneficiários do Moinho durante o encontro, Marluz Flores do Nascimento e Sandra Sanabria relataram, comovidas, casos de transformação com filho e netos após a experiência no Moinho Cultural. Sandra é mãe de Jardel Costa, de 22 anos, que contou com o apoio do Moinho para retornar ao instituto como monitor após superar graves problemas pessoais. "O Moinho é um lugar de exercício pleno da cidadania, e a Vale se orgulha de fazer parte desse trabalho de transformação", destacou Olemar Tibães Junior, gerente da Vale.

Diretora executiva do Moinho, Márcia Rolon, relatou trajetória de vida durante palestra.