Geral

Vazamento de amônia: MPT investiga causas de acidente em unidade do frigorífico JBS

Fonte: Assessoria de Imprensa- MPT/MS em 07 de Abril de 2017

O Ministério Público do Trabalho em Mato Grosso do Sul (MPT/MS) instaurou inquérito civil para apurar as razões e as consequências do vazamento de amônia na unidade II do frigorífico JBS, na zona rural de Campo Grande, e se houve descumprimento das normas de saúde e segurança do trabalho. O acidente ocorreu na tarde de ontem (6) e, segundo informações preliminares, diversos funcionários foram socorridos e encaminhados a postos de saúde da capital.

O procurador do Trabalho Celso Henrique Rodrigues Fortes esteve no local na manhã desta sexta-feira (7), acompanhado de perito do MPT, auditores fiscais, equipes da Polícia Militar Ambiental, Polícia Civil e Corpo de Bombeiros.

Conforme apurado, o vazamento ocorreu na Casa de Máquinas e foi provocado pelo rompimento da carcaça de uma bomba do sistema de congelamento. Os alarmes foram então acionados, resultando na evacuação dos setores de produção. A amônia passou a ser eliminada pelo sistema de exaustão contínua para fora da unidade. Rapidamente, por conta da ventilação no local, o gás se espalhou. "Muitos funcionários correram na direção em que o vento arrastava a amônia. Esse gás, quando inalado, afeta o sistema respiratório e compromete a saúde dos trabalhadores", observou Celso Fortes. A unidade II do frigorífico JBS emprega cerca de 1,2 mil pessoas.

O Ministério Público do Trabalho aguarda, agora, o envio de relatórios e de laudos técnicos pelos órgãos que compareceram ao local do acidente. Será analisada, por exemplo, a existência de Plano de Resposta a Emergências, previsto na Norma Regulamentadora nº 36, e de Plano de Manutenção de Máquinas e de Equipamentos, estabelecido na Norma Regulamentadora nº 12.

A empresa terá 10 dias úteis para se manifestar sobre o acidente, a contar da notificação, apontando as providências adotadas em relação ao vazamento.

Esse é o segundo inquérito instaurado pelo MPT/MS sobre vazamento de amônia em 2017. Em fevereiro, foi aberto um procedimento depois de problema semelhante no frigorífico Marfrig, em Bataguassu, que motivou a intoxicação de 21 funcionários.