Cultura

Quinta Cultural encanta estudantes com Orquestra de Viola Caipira e novo formato

Fonte: Assessoria Moinho em 26 de Maio de 2017

Orquestra de Viola Caipira do Sesc apresentou toadas, cateretê e cururu no Moinho.

Divulgação/Moinho

A Orquestra Corumbaense de Viola Caipira, mantida pelo Sesc Corumbá, encantou o público formado por alunos da EJA (Educação para Jovens e Adultos), da Escola Estadual Otacílio Faustino da Silva, durante sua apresentação na Quinta Cultural, neste 25 de maio, no Instituto Moinho Cultural Sul-Americano.

A música raiz, com toadas, cateretê e cururu, empolgou os estudantes, que responderam com intensos aplausos. A orquestra tocou Luar do Sertão (Catulo da Paixão Cearense), Chico Mineiro (Tonico e Tinoco), Tristeza do Jeca, Menino da Porteira e Couro de Boi, e agradou em cheio a plateia.

Os 30 estudantes do EJA vieram acompanhados da coordenadora Luciene Batista dos Santos e da professora Elisângela Vilalva. "É uma oportunidade de ouro, pois muitos já tinham ouvido falar do Moinho mas nunca haviam estado aqui dentro", destacou Luciene.

Estudantes conheceram espaço de dança e outras instalações do Moinho Cultural

Além de manter a orquestra, com 29 integrantes, o Sesc oferece curso de viola caipira com a coordenação do professor Joel Mendes, e as inscrições estão abertas na sua nova sede, na rua 13 de Junho, esquina com Firmo de Matos, no centro. O curso conta hoje com 50 matriculados. "Não se exige experiência, alguns chegaram totalmente crus e hoje já tocam na orquestra", incentiva o professor.

A Quinta Cultural é um evento idealizado pelo Moinho, em parceria com o Sesc, que investe na Companhia de Dança do Pantanal, e com a K&D Transportes, que realiza a locomoção dos alunos de escolas convidadas.

O evento propõe a interação entre artistas e o público, com apresentações de dança e música, espaço dedicado à literatura e o Bazar da Beira, com venda de roupas a partir de R$ 2,00, como parte da campanha "Abrace o Moinho".

Ocorre todas as quintas na sede do Moinho, no Porto Geral, a partir das 19h, com apresentação da Companhia de Dança do Pantanal e da Orquestra Moinho, além da Orquestra Corumbaense de Viola Caipira do Sesc.

Espaço de dança aberto aos alunos convidados
A Quinta Cultural iniciou um novo formato, em duas etapas. Primeiramente os estudantes assistiram à apresentação da Orquestra Corumbaense de Viola Caipira no pátio do Moinho e depois subiram ao terceiro andar para conhecer a Companhia de Dança Pantanal e as instalações do Moinho, com acompanhamento da diretora executiva do Moinho, Márcia Rolon. "Trata-se de uma aula cultural", resumiu Márcia.

O Moinho mantém 280 beneficiários em aulas de música, dança, apoio escolar, educação ambiental, cidadania e tecnologia no contraturno escolar, e conta com o patrocínio máster da Vale, patrocínio da Cielo, da BrazilFoundation, parceria da J. Macedo e tem como parceiros institucionais a Prefeitura de Corumbá, a Prefeitura de Ladário e a Prefeitura de Puerto Suarez (Bolívia).

Companhia de Dança Pantanal se apresentou aos alunos da Escola Otacílio Faustino

Convidado pelo Moinho, Osvaldo Port, um dos primeiros diretores da fábrica de trigo que funcionou no local desde 1954, conversou com os estudantes, contou sua trajetória de vida e sobre a emoção de ver o espaço agora ocupado por um projeto que forma cidadãos e transforma vidas.

Fato inédito, pela primeira vez o público teve acesso à sala de dança, considerada um espaço sagrado dos bailarinos do Moinho. Lá eles assistiram à apresentação da Companhia de Dança Pantanal, coordenada pelo mestre cubano da dança Rolando Candia. Apresentaram-se o duo Núbia Santos e Humberto Silva, um solo com a bailarina Izabelle Paiva, um solo do Núbia Santos, um duo com Izabelle e o bailarino Kelven de Jesus e, por fim, um fragmento da peça Lago dos Cisnes (de Tchaikovsky), com o trio Núbia, Izabelle e Jhônatan Parola.