Cidade

Bolivianos invadem a saúde, com o transporte clandestino e também o comércio de Corumbá

Fonte: Da Redação em 18 de Junho de 2017

É muito preocupante a grande quantidade de bolivianos que mora do lado de lá da fronteira, mas que diariamente vem obter vantagens aqui em nossa cidade.

Em destaque os veículos com placas da Bolívia que circulam com grande desenvoltura pelas vias públicas do nosso município, fazendo serviço de táxi clandestino, trazendo e levando passageiros, pelo preço de R$5,00 ou pouco mais por cabeça, prejudicando os taxistas e mototaxistas brasileiros legalizados. Os motoristas do vizinho país tentam burlar alguma fiscalização, falando que estão conduzindo pessoas da própria família, mas só que não comprovam com documentos algum tipo de laço parentesco.

Outra situação inaceitável pelos comerciantes estabelecidos que pagam impostos, aluguéis e funcionários: na porta de suas lojas, eles sentam com a maior tranquilidade instalando bancas ou carrinhos recheados de produtos importados para venderem bem abaixo do preço cobrado aqui no Brasil, simplesmente porque não pagam impostos e sem despesas, com muitos atrapalhando a passagem de pedestres que são obrigados a caminharem pelo leito das ruas, como por exemplo, nas calçadas estreitas, caso da Delamare, da Rua Antônio Maria até a Rua 15 de Novembro. Chegam ao cúmulo de oferecerem relógios nas portas das joalherias e ninguém faz nada para acabar com esses abusos, venda de CDs e DVDs nas portas das casas de discos e instrumentos musicais numa verdadeira concorrência desleal. Enfim, dizem que a antiga Feirinha Boliviana que tinha atrás do cemitério, agora se espalhou pelas ruas de Corumbá.

A situação mais grave é que bolivianos que residem em Quijarro, Porto Suarez e em outras localidades da Bolívia, estariam alugando casas velhas ou abandonadas, somente para conseguirem prova de residência(conta de luz ou água) para poderem se cadastrar nos postos de saúde e assim serem atendidos pelo SUS, com alguns dando propinas para inquilinos brasileiros lhe darem cópia da conta da Energisa ou Sanesul, falando que também moram ou trabalham nessas residências e assim terem assistência hospitalar e acesso a medicamentos.

O secretário de Saúde afirmou em nossa redação que está tomando todas as providências para coibir esses abusos com relação a atendimento ilegal aos estrangeiros que não residem em nosso país.

Os bolivianos também tomaram conta das feiras-livres causando desentendimento com o presidente da Associação dos Feirantes e com os brasileiros. E seus preços já não são mais convidativos como eram antigamente, com os supermercados vendendo mais barato as frutas, legumes, verduras e outros produtos.

Quanto aos outros fatos acima narrados, em prejuízo aos taxistas e comerciantes, se faz necessário uma fiscalização super-rigorosa, inclusive com blitz seguidas na entrada da cidade, junto ao CAIC ou lá na própria fronteira.