Meio Ambiente

Câmara aprova Projeto de Lei de Rufo que cria o Dia do Dourado em Corumbá

Fonte: Assessoria de Imprensa/CMC em 30 de Agosto de 2017

A Câmara Municipal de Corumbá aprovou na sessão ordinária de ontem, terça-feira, 29, o Projeto de Lei de autoria do vereador e primeiro secretário da Casa, Rufo Vinagre (PR), que cria o Dia do Dourado e o inclui no calendário oficial do Município.

A aprovação foi por unanimidade e integra um projeto do vereador que começou pela proibição da pesca do dourado no município corumbaense, lei já sancionada pelo prefeito Ruiter Cunha.

Agora, a proposição segue para sanção do Poder Executivo. Pelo Projeto de Lei do vereador, o Dia do Dourado será lembrado sempre em 06 de junho, durante as comemorações da Semana do Meio Ambiente.

Ontem, durante a sessão, Rufo lembrou que a instituição do Dia do Dourado foi pensada para massificar ainda mais um grande programa que já se desenvolve em Corumbá pela preservação dessa espécie.

"A proibição da pesca do dourado já está proibida em nosso Município. Isto está fazendo com que outras regiões brasileiras sigam o nosso exemplo e já estão tratando do tema, visando a proibição da pesca no sentido de preservar a espécie. Agora, aprovamos a instituição do Dia do Dourado e isto reforça ainda mais a importância de preservar este peixe nos nossos rios pantaneiros", celebrou.

Ainda sobre a proibição, Rufo revelou tem recebido convites de autoridades ligadas ao Poder Legislativo de Goiás, Minas, Paraná (Assembleia) e da cidade paulista de Presidente Epitácio (Câmara de Vereadores), para tratar do tema ligado à proibição da pesca do dourado. "Fomos convidados para relatar a nossa experiência e os benefícios que tivemos com a proibição da pesca e o projeto Cota Zero do Dourado", ressaltou.

Projeto de Monitoramento da Cota Zero do Dourado foi lançado no dia em que o Poder Executivo sancionou a lei proibindo a pesca no Município. A iniciativa é constituída por um conjunto de ações que tem como objetivos a manutenção dos estoques da espécie; a mudança de atitude de pescadores, dos ribeirinhos e empresários; a geração de trabalho e renda e a sua replicabilidade.