Meio Ambiente

PMA autua em R$ 4,4 mil quatro pescadores no rio Piquiri por pesca predatória e apreende, barcos, motores e pescado

Fonte: Assessoria de Imprensa PMA em 09 de Setembro de 2017

Divulgação/PMA

Equipes de Policiais Militares Ambientais de Coxim realizam fiscalização durante a operação Independência nos rios Correntes, Piquiri, São Lourenço e Paraguai na divisa com o estado de Mato Grosso e autuaram quatro pescadores por pesca predatória, apreenderam 15 kg de pescado, três barcos, três motores de popa e petrechos de pesca.

Devido a essas regiões tratarem-se de locais muito distantes de áreas urbanas e de difícil acesso, vários pescadores aproveitaram para praticarem pesca predatória, por acharem ser difícil serem pegos pela fiscalização. Porém, a PMA tem realizado fiscalização preventiva constante, e também tem prendido pescadores, que insistem em desrespeitar a lei na região.

Durante esta operação Independência, na primeira ocorrência no rio Piquiri ontem (8), dois pescadores, residentes em Goiânia (GO) foram autuados por capturar exemplares de pescado abaixo da medida permitida pela legislação. A embarcação que estavam e o motor utilizados na pesca predatória foram apreendidos, além de 7 kg de pescado e dois molinetes com varas. Os dois pescadores foram multados em um total de 2.155,00.

Pelo mesmo motivo foram autuados hoje (9) dois outros pescadores. Um residente em São José do Rio Preto (SP) e outro residente em Várzea Grande (MT). 8 kg de pescado abaixo da medida que os pescadores tinham capturado e duas embarcações, dois motores e dois molinetes com varas utilizados na pescaria ilegal foram apreendidos. Os dois pescadores foram multados em um total de 2.276,00.

Todos os infratores responderão por crime ambiental de pesca predatória. Se condenados, poderão pegar pena de um a três anos de detenção. O pescado será doado para instituições filantrópicas, depois de periciado.

As equipes continuam na região. O Comando pretende manter os policiais revezando-se no local, no sentido de prevenir a pesca predatória, mesmo depois da operação Independência, tendo em vista a proximidade do período de piracema, em que cardumes já começaram a se formar.