Agronegócios

Depois do sucesso do leilão de touros, Feapan reúne o melhor do cavalo pantaneiro neste sábado

Fonte: Assessoria de Imprensa em 23 de Setembro de 2017

Divulgação

Depois de uma excelente comercialização de 200 touros nelore de alto padrão genético, onde a participação do pecuarista pantaneiro mostrou que o criador de boi da região investe cada vez mais em tecnologia e reprodutores de qualidade, a Feira Agropecuária do Pantanal (Feapan) realiza neste sábado o 22º leilão do cavalo pantaneiro, que também prima por animais puro sangue.

A maior feira do agronegócio na planície do bioma, aberta na quarta-feira com a presença do governador do Estado, Reinaldo Azambuja, deve superar a movimentação financeira do ano passado, na previsão do Sindicato Rural de Corumbá. O leilão do cavalo pantaneiro colocará à venda 40 animais de primeira linhagem dos criatórios de Mato Grosso do Sul e Mato Grosso.

O desfile dos 200 touros PO no tatersal do Parque de Exposição Belmiro Maciel de Barros marcou uma grande noite da pecuária pantaneira, cujos animais, além da excelente qualidade, são adaptados para a região. Este ano, além dos animais produzidos pela fazenda de Mercy Roberto Vilela, foram comercializados reprodutores procedentes da Embrapa Pantanal e dos criatórios da Nelore Digenio, Roberto Castro Cunha, Ari Basso, Dirceu Miguéis e Arlindo Pavan.

Programação
Distribuídos em 60 lotes, a hegemonia genética dos animais ficou demonstrada nos preços alcançados, a maioria adquirida por cerca de R$ 5 mil, valor de mercado. Um dos primeiros lotes foi batido o marcelo a R$ 6 mil, em 24 prestações de R$ 250,00. No final, apenas a Fazenda São Francisco, do tradicional pecuarista Emilio de Barros, arrematou seis lotes, totalizando 18 reprodutores da Nelore Di Gênio.

A programação deste sábado da Feapan começou às 7h, com a prova do laço comprido, seguido da Corrida Feapan. Além do leilão de elite do cavalo pantaneiro, às 20h, haverá palestras no período da tarde, dentre as quais a apresentação de um projeto sobre as estratégias de convivência da onça-pintada com o gado pantaneiro, bailes e show com portões abertos na estrutura montada no parque de exposição.