Política

Temer beira unanimidade e chega a apenas 3% de aprovação

Fonte: Correio do Brasil em 28 de Setembro de 2017

O presidente de facto Michel Temer, é repudiado por mais de 70% dos eleitores brasileiros.

Alvo de duas denúncias no Supremo Tribunal Federal (STF), Temer é alvo de investigações de corrupção; obstrução de Justiça e comando de organização criminosa.

Pesquisa do Instituto Ibope contratada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) revelou, nesta quinta-feira, que o presidente de facto, Michel Temer, é o ser mais impopular que já ocupou a Presidência da República, na História do Brasil. Apenas 3% dos brasileiros aprovam sua gestão.

Alvo de duas denúncias no Supremo Tribunal Federal (STF), Temer é alvo de investigações de corrupção; obstrução de Justiça e comando da organização criminosa que teria desviado R$ 567 milhões dos cofres públicos. E isso, em apenas dois inquéritos. O montante total deverá superar a casa dos R$ 1,3 bilhão desviados nos últimos anos. A Câmara dos Deputados está prestes a determinar se será, ou não, afastado do cargo.
Resultado da pesquisa:
* Ótimo/bom: 3%
* Regular: 16%
* Ruim/péssimo: 77%
* Não sabe/não respondeu: 3%

O levantamento do Ibope, encomendado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), foi realizado entre os dias 15 e 20 de setembro e ouviu 2 mil pessoas em 126 municípios. Desde que Temer se tornou presidente efetivo, após o golpe de Estado que derrubou a presidenta Dilma Rousseff ser aprovado pelo Congresso Nacional, esta é a quinta pesquisa Ibope encomendada pela CNI. Temer vem caindo, em todos os estudos anteriores.

Piores partidos
Na esteira da aferição pública quanto ao desempenho dos políticos brasileiros, o Democratas (DEM) encomendou uma pesquisa para saber a quantas anda o prestígio dos partidos políticos. O nível de rejeição às legendas foi surpreendente. O próprio partido foi rechaçado por cerca de 60% dos entrevistados.

Dirigentes do DEM se depararam com a má vontade em relação ao PSDB e ao PMDB. A rejeição às duas legendas gira em torno de 75%. A aprovação, em torno de 13%. A pesquisa foi encomendada para o que os dirigentes chamam de "relançamento" do DEM, com mudança de nome e a entrada de novos nomes na legenda.