Educação

Feiras científicas do IFMS reúnem trabalhos de mais de 100 escolas do Estado

Fonte: Ascom/IFMS em 20 de Outubro de 2017

As feiras científicas do Instituto Federal de Mato Grosso do Sul (IFMS), realizadas em dez municípios, reúnem projetos de pesquisa desenvolvidos por estudantes do ensino fundamental, médio e de cursos técnicos integrados de mais de 100 escolas públicas e particulares do Estado. As feiras fazem parte da programação da Semana de Ciência e Tecnologia da instituição, evento que segue até o próximo sábado, 21.

Nessa quinta-feira, 19, foi aberta a Feira de Ciência e Tecnologia de Campo Grande (Fecintec). A cerimônia reuniu a comunidade escolar do IFMS e de diversas instituições de ensino, além de representantes dos parceiros do evento, como secretarias de Estado e Municipal de Educação, Exército e universidades.

"A pesquisa auxilia na formação do estudante e contribui para a aprendizagem. Que os jovens tomem gosto pela ciência, assim teremos dias melhores. Vocês são nosso futuro para a solução de problemas. Hoje é comemorado o Dia Nacional da Inovação, é hora de refletirmos e termos ideias inovadoras, o nosso Estado e o Brasil precisam disso", apontou o pró-reitor de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação, Marco Naka, que representou o reitor Luiz Simão Staszczak.

"A pesquisa auxilia na formação do estudante e contribui para a aprendizagem. Que os jovens tomem gosto pela ciência, assim teremos dias melhores. É hora de refletirmos e termos ideias inovadoras, o nosso Estado e o Brasil precisam disso", apontou o pró-reitor de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação, Marco Naka.

A diretora-geral do Campus Campo Grande, Rosane Fernández, ressaltou a participação das escolas na Feira. "Temos mais de 30 escolas participantes da Fecintec. Nosso futuro é trabalharmos juntos, nos integrando, fortalecendo e formando parcerias".

O coordenador da Fecintec, Dejahyr Lopes Junior, destacou a importância de a Feira ser realizada na sede definitiva do campus, cujas atividades tiveram início neste segundo semestre.

"Estamos felizes por contar aqui com tantas escolas parceiras. Nesses três dias de Feira, teremos bastante troca de experiências, e todos os estudantes terão a oportunidade de conhecer o que é uma escola técnica federal, visitar nossos laboratórios e estrutura".

A abertura contou com a apresentação do Quarteto Mais Cultura, formado por acadêmicos da Licenciatura em Música da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS).

A Fecintec está aberta à visitação do público até as 18 horas desta sexta-feira, 20 . O campus fica Rua Taquari, 831, Bairro Santo Antônio. A premiação ocorrerá no sábado, 21, a partir das 8 horas.

Projetos - A Fecintec registrou o maior número de projetos de pesquisa inscritos entre as dez feiras científicas do IFMS neste ano. Ao todo, são 122 trabalhos em exposição.

Um dos projetos é de Cassinei Gentil, 19, recém-formado no curso técnico integrado em Mecânica do Campus Campo Grande. Desde 2015, o estudante e outros colegas desenvolvem uma semeadeira de baixo custo adaptada à agricultura familiar, sob orientação do professor Fabiano Branco.

A ideia surgiu após um encontro com agricultores do Assentamento Rural Nova Aliança, em Terenos (MS). Os trabalhadores rurais relataram dificuldades no cultivo manual, principalmente de rúcula. A partir daí, foi desenvolvido um protótipo com cantoneiras de aço, canos de PVC, nylon e rodas de bicicleta.

"O custo total foi de cerca de R$ 500,00. A estrutura foi feita pensando na facilidade dos próprios agricultores fazerem reparos necessários ou até mesmo montarem a semeadeira. O eixo é removível para colocar qualquer tipo de semente, e adaptável a qualquer tipo de cultura", explicou Cassinei.

O estudante ressalta que, com a semeadeira, o trabalho, que hoje é feito manualmente, será otimizado. "O lado bom é que ela consegue realizar três etapas num só movimento: rasga o solo, libera as sementes e tapa o rasgo com a areia do solo. Podem ser feitas onze covas de uma só vez, aumentando a produtividade do cultivo".

Agora que Cassinei se tornou egresso do IFMS, o projeto continuará sendo desenvolvido por outros estudantes do campus. A próxima etapa será a de testes com a semeadeira.

Demais municípios - Além de Campo Grande, as feiras em Corumbá (Fecipan), Coxim (Fecitecx), Dourados (Fecigran) e Jardim (Fecioeste) estão sendo promovidas. A apresentação de projetos de pesquisa já foi realizada, nesta semana, em Aquidauana (Feciaq), Naviraí (Fecinavi), Nova Andradina (Fecinova), Ponta Porã (Fecifron) e Três Lagoas (Fecitel).

Neste ano, o IFMS registrou número recorde de projetos inscritos: 673 nos dez campi. Os trabalhos são nas áreas de Ciências Biológicas e da Saúde, Ciências Exatas e da Terra, Ciências Humanas Sociais Aplicadas e Linguística, Ciências Agrárias e Engenharias e Multidisciplinar, para trabalhos com mais de uma área de conhecimento predominante.

Todos os autores receberão certificado de participação. Serão premiados os melhores trabalhos por nível (fundamental e médio) e área do conhecimento. Também será concedida premiação aos melhores pôster/banner, maquete/protótipo, apresentação oral e relatório.

Os dois trabalhos de nível médio melhores classificados em cada feira serão credenciados para participar da Feira de Tecnologias, Engenharias e Ciências de Mato Grosso do Sul (Fetec-MS), que ocorrerá de 8 a 11 de novembro, na Capital.

Semana de Ciência e Tecnologia - A temática central evento, neste ano, é "A Matemática está em tudo".

A programação conta ainda com seminários, palestras, workshops, minicursos, visitas técnicas, apresentações culturais, mostra de cursos e observatório de ingressantes, profissões e egressos. Parte das atividades é aberta ao público.

Na página da Semana, é possível conferir a programação completa do evento. O endereço é www.ifms.edu.br/semanact.