Cidade

Com síndico escolhido, apartamentos do Casa Nova II serão entregues em dezembro

Fonte: Da assessoria PMC em 20 de Outubro de 2017

Reunião esclareceu sobre questões ambientais e vistoria obrigatória para entrega das chaves.

Clóvis Neto/PMC

Dia 1º de dezembro serão entregues as chaves aos beneficiados pelos apartamentos do conjunto Casa Nova II, localizado no bairro Jardim dos Estados. É o que prevê a Gerência de Habitação e Regularização Fundiária da Prefeitura Municipal de Corumbá. A data também já está agendada junto à Caixa Econômica Federal que trabalha nos últimos 12 dossiês para que o empreendimento seja entregue aos moradores. A informação foi repassada na segunda reunião ocorrida na manhã desta sexta-feira, 20 de outubro, com os 200 beneficiados do projeto. Na ocasião, orientações sobre manejo de lixo, preservação ambiental e sobre a vistoria dos apartamentos foram repassadas. Escolha de síndico, subsíndico e comissão que vai ajudar a gerir o local aconteceu durante a reunião.

"A Caixa Econômica está vindo dentro de quinze dias para realizar o sorteio dos endereços. Saindo essa relação, os moradores vão realizar a vistoria dos apartamentos. Depois disso, haverá a assinatura dos contratos e vão receber definitivamente as chaves", afirmou Luciane Andreatta, gerente de Habitação e Regularização Fundiária do Município de Corumbá. Ela destacou que idosos e deficientes terão prioridade para apartamentos no térreo.

"Essa reunião foi de extrema importância primeiro porque faz parte de um cronograma de atividades do próprio projeto e também por causa da eleição do síndico. Estamos muito felizes por já ter cinco pessoas representando esse empreendimento e ficaremos mais tranquilos no momento de deixarmos os moradores e os responsáveis cuidando do local. Falar sobre o acondicionamento correto do lixo também foi importante porque viver em condomínio é diferente de viver em unidades habitacionais. Eles podem até futuramente fazer coleta seletiva de lixo e reverter esse dinheiro para o próprio condomínio. Foi uma reunião de informações extremamente relevantes para eles", completou Luciane que lembrou que a Prefeitura deve permanecer auxiliando na administração do conjunto por um ano depois de entregue aos moradores.

O subtenente da Polícia Militar Ambiental José Borges de Medeiros foi o responsável pelas orientações feitas aos moradores com relação aos cuidados com o lixo e como os moradores devem preservar o meio ambiente. Ele explicou sobre acondicionamento do lixo doméstico, sobre o crime ambiental da queima de lixo e mato e sobre o crime de capturar ou alimentar animais silvestres, já que ao redor do conjunto há área de vegetação.

Para Borges, é importante que cada morador comece a viver no empreendimento já com essa consciência ambiental para não prejudicar o próximo e a ele mesmo. "O lixo causa doenças, traz animais indesejáveis como insetos e ratos. É necessária essa consciência até para deixar o ambiente limpo, saudável e mais agradável para as pessoas", afirmou o militar. "Eu acredito que esse é um trabalho a longo prazo e, se for difícil no início, não podemos desistir", completou.

Dos 200 contemplados, a Caixa Econômica Federal verificou que 49 tinham a possibilidade de se tornarem síndicos do conjunto. Em reunião passada, realizada com essas 49 pessoas, foram escolhidos o senhor João Mendes Pedrozo e Laura Franciele de Jesus Carneiro para serem síndico e subsíndica do Casa Nova II. Na reunião ocorrida na manhã deste dia 20 de outubro, houve a aprovação desses dois nomes por parte de todos os duzentos beneficiados.

Na ocasião, houve também chamamento para composição da comissão que vai administrar o conjunto em parceria com o síndico e a subsíndica. Dos presentes à reunião, três mulheres se dispuseram para ser presidente, vice-presidente e secretária da comissão. Respectivamente são Eleatrice Marina da Silva Santos, Míriam Contreras Couto e Simone Salles de Carvalho. Elas, juntamente com o síndico e subsíndica, vão administrar o local.

Luciane Andreatta explicou que esses cinco nomes vão compor ata que será documentada em cartório e seguirá para a Receita Federal para posteriormente ser aberta conta corrente bancária em nome do condomínio. A conta servirá para depósito da mensalidade do condomínio que cada morador deve pagar. A taxa ficará entre R$ 60,00 e R$ 62,00, valor estipulado pela Caixa Econômica Federal.

Para dona Maria Catarina dos Santos, 60 anos, que nunca teve residência própria, a proximidade da entrega das chaves de seu apartamento a deixa muito feliz. "Estou empolgada para passar o Natal aqui. Moro com meu filho, no Maria Leite, mas ele está entregando o lugar, onde tinha uma vendinha, mas não deu certo, e ele está demorando para devolver porque ainda estou lá, atrapalhando. Lá não tem sequer uma sombra e estou louca para vir porque nunca tive uma casinha porque nunca tive condições de comprar. Estou precisando urgentemente vir para cá. Com relação ao cuidado com lixo, é muito importante essa informação porque tem gente que junta demais, passa o dia do lixeiro e fica cheirando mal. Todo mundo que vai morar aqui tem que ter essa consciência", disse dona Maria.

Vistoria é necessária para entrega das chaves
As vistorias serão marcadas com data e horário e devem ser feitas pelas pessoas que estiverem na lista, não podendo enviar representantes. Conforme Gustavo Castro, engenheiro da VBC Engenharia e responsável pela obra, é necessário que o contemplado leve, no dia da vistoria, CPF e Carteira de Identidade. O processo deve ser feito sem a presença de representantes da construtora ou da Prefeitura. No dia, a pessoa vai se dirigir ao Centro Comunitário do empreendimento, pegar a chave, ir até o apartamento e realizar a vistoria.

O objetivo da vistoria é fazer com que o morador verifique se todos os itens da residência estão funcionando bem como fechadura, janelas, portas, piso, observar se estão faltando chuveiro ou torneiras. Depois, se houver algum problema, ele vai colocar observações em um papel e retornar ao Centro Comunitário para entregar as observações e a chave. Esse documento fará parte do contrato de cada morador, por isso, a importância de estar presente na vistoria no horário certo. O processo dura em média de 5 a 10 minutos.

"O documento de vistoria faz parte do contrato, então, se esse documento não estiver assinado ou se a pessoa não comparecer, ela não vai poder receber a chave. No dia, ela vai verificar as condições da moradia, se tem algo quebrado, porque depois disso ela não poderá reclamar para a construtora, já que depois que ela entrar no apartamento, a responsabilidade do manuseio das instalações é responsabilidade do morador. A construtora pede para que venham para evitar transtornos futuros", afirmou Gustavo Castro.

O engenheiro lembra que a energia e a água só serão verificadas depois que cada contemplado já estiver no apartamento e solicitar a ligação à Energisa e à Sanesul. Ele frisou que só será possível a ligação se o morador não tiver nenhum débito junto às duas concessionárias. Caso tenha alguma dívida de água ou luz, é necessário resolver primeiro o débito para poder ter direito à água e energia elétrica.