Política

Bancada do PT irá ao CNJ contra Moro por suposto subfaturamento de imóvel

Fonte: Brasil 247 em 02 de Fevereiro de 2018

A bancada do PT na Câmara deverá entrar com representação contra o juiz Sérgio Moro no Conselho Nacional de Justiça (CNJ); deputados petistas vão pedir que o CNJ investigue Moro por suposto subfaturamento na compra de um apartamento em Curitiba; pedido de investigação foi confirmado pelo deputado Paulo Teixeira; "O que precisa ser investigado é se, de fato, o imóvel foi subfaturado, pois se isso ocorreu os impostos também foram subfaturados. A bancada do PT vai fazer uma provocação no CNJ, no sentido de exigir explicações do juiz Sergio Moro", revelou; denúncia veio à tona, depois que foi divulgada a informação de que Sergio Moro recebe auxílio-moradia, mesmo sendo proprietário de um imóvel na capital paranaense.

A bancada do PT na Câmara Federal deverá entrar com representação contra o juiz federal Sérgio Moro no Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Os deputados petistas vão pedir que o CNJ investigue o juiz da Lava Jato por suposto subfaturamento na compra de um apartamento em Curitiba.

Um pedido de investigação já havia sido cogitado mais cedo pelo deputado Carlos Zarattinie foi confirmada pelo deputado Paulo Teixeira. "O que precisa ser investigado é se, de fato, o imóvel foi subfaturado, pois se isso ocorreu os impostos também foram subfaturados. A bancada do PT vai fazer uma provocação no CNJ, no sentido de exigir explicações do juiz Sergio Moro", revelou Teixeira à revista Fórum.

A denúncia veio à tona, depois que foi divulgada a informação de que Sergio Moro recebe auxílio-moradia, mesmo sendo proprietário de um imóvel na capital paranaense.

Em junho de 2002, Moro adquiriu um apartamento de 256 m2 no bairro Bacacheri, em Curitiba. O imóvel foi vendido pelo juiz federal do Tribunal Regional da 4 Região (TRF-4), Marco Antonio Rocha, por R$ 173,9 mil (em valores atualizados, R$ 460 mil). No entanto, segundo dados do site agenteimóvel, o valor do metro quadrado de um imóvel nesse bairro é de quase R$ 5 mil (R$ 4.923,00). Portanto, um apartamento de 256 m2, em valores atualizados, custaria R$ 1 milhão, 250 mil e não R$ 460 mil.

"Tenho certeza que o juiz Sergio Moro deve explicações. Ele precisa ser investigado e a instância adequada, a meu ver, é o CNJ, uma vez que estão sendo apontadas ilegalidades, como o subfaturamento na compra do imóvel", completou o deputado.

Depois de uma chuva de críticas, o juiz Sérgio Moro tentou justificar o recebimento do auxílio-moradia. "O auxílio-moradia é pago indistintamente a todos os magistrados e, embora discutível, compensa a falta de reajuste dos vencimentos desde 1 de janeiro de 2015 e que, pela lei, deveriam ser anualmente reajustados", afirmou o juiz.