Economia

Senai Empresa apresenta programa de logística reversa a industriais de Corumbá

Fonte: Assessoria de Imprensa em 08 de Fevereiro de 2018

Dirigentes dos sindicatos que representam as indústrias do município de Corumbá conheceram, nesta quarta-feira (07/02), o plano de ação do Programa Senai de Logística Reversa, lançado para oportunizar as empresas a se adequarem à Política Nacional de Resíduos Sólidos, instituída pela Lei Federal nº 12.305/2010. Os planos foram apresentados pela equipe do Senai Empresa, gestor do projeto, inicialmente aos dirigentes do Simec (metalúrgicas), Sindiecol (extrativas), Sindivesc (vestuário), Sindicom (construção) e Siaco (alimentação) e, em outras duas reuniões, empresários do município poderão conhecer os projetos.

Para o diretor-regional do Senai, Jesner Escandolhero, enquanto empresários, os dirigentes sindicais demonstraram interesse em entender como manter as atividades regulares perante as exigências legais, bem como cumpri-las seguindo o plano de logística reversa proposto pelo Senai. "É demonstrada uma apreensão diante desta responsabilidade, por isso, esta iniciativa da Fiems junto ao Senai visa justamente garantir que eles consigam de uma forma mais tranquila cumprir com todo esse arcabouço legal. Mato Grosso do Sul, inclusive, tem sido um dos Estados pioneiros a levar essa discussão adiante e o que pretendemos é continuar alçando as empresas à vanguarda da inovação e, ao mesmo tempo, ao cumprimento de toda a legislação vigente", destacou.

O gerente do Senai Empresa, Rodolpho Mangialardo, explica que após a apresentação do plano às empresas, o documento será levado ao Governo do Estado e, então, executado nas indústrias. "Pelo olhar dos presidentes dos sindicatos industriais de Corumbá houve uma receptividade fantástica porque, apesar de terem consciência dos investimentos, há a demonstração de que existe uma preocupação em se adequar a legislação, além das vantagens a longo prazo. Estamos saindo na frente", acrescentou.

Repercussão
Para o presidente do Simec, Marcelo De Carli, a apresentação foi o momento de conhecer as propostas do plano, que despertaram a necessidade de mudanças na legislação. "Entendemos o quanto é relevante para a nossa atividade manter-se regularizado dentro do que pede a legislação, porém, esperamos que os órgãos fiscalizadores o façam por igual, porque uma empresa que investir nas adequações não pode sair em desvantagem competitiva em relação à concorrente que não teve preocupação alguma em fazer o mesmo", analisou.

Presidente do Siaco, Marismar Soares Santana destacou a importância da destinação correta dos resíduos. "Para a indústria será estratégico, porque resíduo é algo preocupante na cidade", pontuou. Também participaram da apresentação o diretor-técnico do Senai, Gilberto Schaedler, e a coordenadora do Programa Senai de Gestão Ambiental, Liliane Candida Corrêa.

O programa
O Programa Senai de Logística Reversa trata do processo de retorno de produtos, embalagens ou materiais para os locais onde foram fabricados, envolvendo todos os elos da cadeia produtiva e materiais como agrotóxicos, pilhas e baterias, pneus, óleos lubrificantes, lâmpadas fluorescentes, produtos eletrônicos, entre outros.

Além da adequação das empresas à Lei Federal nº. 12.305 de 2010, cujo cumprimento é fiscalizado pelo Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul), e à Resolução da Semagro (Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar) nº. 33, que trata da implantação do sistema de Logística Reversa nas indústrias e outros estabelecimentos de Mato Grosso do Sul.